Publico P2

Publico P2

Publico P2

[…]

Até aceitar o desafio de um professor no último ano do curso de Engenharia Alimentar, Guilherme Pereira nunca tinha provado insectos. Desde pequeno que ouvia o pai dizer que “iam ser o futuro”. Mas, para ele, era uma realidade confinada ao continente asiático. “Sabia que se comia insectos no Oriente, mas não tinha tão presente que já estavam a criá-los no mercado ocidental”, admite. Quando lhes foi proposto desenvolverem uma barra proteica à base de farinha de insecto como projecto final de curso, Guilherme foi o único na turma a aceitar. Os colegas acharam-no “um bocado tolo”, diz. Mas ele viu ali uma ideia “extraordinária” e uma oportunidade de se lançar no empreendedorismo com uma “coisa diferente”.

[…]

Leia a notícia completa em: https://www.publico.pt/2018/08/26/sociedade/noticia/mais-tarde-ou-mais-cedo-os-insectos-vao-chegarlhe-ao-prato-1841858

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *