Missão

Hoje em dia vivemos num período onde cada vez mais é necessário fazer escolhas sustentáveis, tendo sempre em mente que cada decisão nossa pode influenciar o futuro.
Habitualmente, as nossas escolhas alimentares não seguem esta linha de pensamento, pois muitas vezes desconhecemos quais os impactos ambientais associados à produção das fontes proteicas atuais.

Quando se fala de sustentabilidade, um dos primeiros conceitos abordados devido à sua influência negativa é o efeito de estufa causado pela libertação de gases que absorvem parte da radiação infravermelho emitida pela superfície terrestre. Sendo clara já há muitos anos a necessidade da diminuição de produção destes mesmos gases.
O gás Metano é muito mais eficaz a reter esta radiação, sendo o seu impacto 20 vezes superior ao do Dióxido de Carbono! E, um dos maiores produtores de Metano (CH4) são precisamente as explorações de gado, sendo estas responsáveis pela emissão de 16% deste gás.
Para conseguirmos dar uma noção ainda mais real sobre o impacto da produção de gado, podemos indicar que para produzirmos 1 kg de carne de vaca são libertados aproximadamente 114g de Metano.

Assim, de forma a conseguir colocar no mercado uma fonte proteica menos poluente e que possa ser uma solução para o futuro, quando em 2030 a população mundial alcançar os 8,5 mil milhões de pessoas e em 2050 chegar a 9,7 mil milhões, a Portugal Bugs está a criar insetos para serem incorporados em diversos produtos alimentares, como por exemplo, barras proteicas, massas e pães. Pois a produção de Metano com a criação de insetos é nula.

Visto que em Portugal e nos países ocidentais o consumo de insetos é deveras intrigante para a maioria das pessoas, a Portugal Bugs está focada no desenvolvimento de produtos com incorporação de farinha de inseto onde os restantes ingredientes já fazem parte da cultura portuguesa, procurando assim conseguir agradar os consumidores e chegar ao melhor dois mundos – o consumo de proteína e vivermos num sistema mais sustentável.

Vocês, provavam?